terça-feira, 16 de outubro de 2007

fabuloso destino

Diálogo extraído de "O Fabuloso Destino de Amèlie Poulain", que certamente ganha disparado na lista dos Top10 dos filmes da minha vida:

Amèlie - Sabe a garota do copo de água?
Homem de Vidro - Sei.
Amèlie - Se parece distante, talvez seja porque está pensando em alguém.
Homem de Vidro - Em alguém do quadro?
Amèlie - Não, um garoto com quem cruzou em algum lugar, e sentiu que eram parecidos.
Homem de Vidro - Em outros termos, prefere imaginar uma relação com alguém ausente a criar laços com os que estão presentes.
Amèlie - Ao contrário, talvez tente arrumar a bagunça da vida dos outros.
Homem de Vidro - E ela? E a bagunça na vida dela?

É, faz pensar mesmo. Não apenas este diálogo, mas o filme todo. A gente pára e pensa nas nossas relações, nas coisas e pessoas que consideramos importantes, na maneira como levamos a vida. Nos pequenos prazeres que fazem cada ser diferente, único e especial. E em todas as sutilezas da vida, porque pra mim esse é filme é feito basicamente disso. Momentos, pessoas, sentimentos e sensações que só você tem, porque viveu, presenciou, fez parte da "cena". E eu sei que um dia ainda andarei por aquelas bandas de Montmartre, insuportavelmente feliz, se possível na primavera, se possível com um "Nino" a tiracolo. Só questão de tempo. ;-)

Um comentário:

Ju disse...

reli esse trecho do post umas 2 vezes:
Homem de Vidro - Em outros termos, prefere imaginar uma relação com alguém ausente a criar laços com os que estão presentes.

Não, isso não!! tomarei todas as caixas de prozac do mundo, mas não farei parte do grupo que prefere agir assim!