sábado, 29 de março de 2008

sombra clara no dia azul

Era uma sombra clara
No dia azul.
Era um pequeno soluço
No choro imenso.
Era um fio de vida
Na primavera,
No mundo crescendo,
Na frutificação,
No reflorescimento
Dos seres,
Das árvores,
De tudo,

Era uma lágrima
No seio do mar.
Era um breve gesto de adeus
No movimento
Unânime.

Augusto Frederico Schmidt
(1906-1965)

Pelo dia de ontem - alguém percebeu que o céu estava escandalosamente azul? E a luta continua do lado de cá, com o Congresso (não o de Brasília, mas o Congresso anual da empresa que trabalho) batendo na porta e pedindo pra entrar. Começa nesta quinta e vai até domingo. Até parece que foi ontem que o ano começou. Será que, a cada ano que passa, o tempo vai ficando mais curto e mais rápido? Esta é a sensação. Well, a quem passa por aqui, ainda que por engano, o meu abraço. :)

Um comentário:

Cacá BH disse...

bom, por aqui o ceu não estava assim tão azul...
mas o poema é muito lindo mesmo...
beijos