quinta-feira, 15 de novembro de 2007

os efêmeros somos nós.

O texto abaixo foi extraído do blog da Marcia Tiburi, filósofa que participa do Programa Saia Justa (no GNT toda quarta às 22h30). O programa é ótimo e ela também. É a reflexão dela depois de assistir à peça "Os Efêmeros", que ainda rendeu um videozinho muito bacana, mostrado no Saia.

Para refletir no feriado... beijo a todos!

Os Efêmeros

“Ando em busca d’Os Efêmeros. Encontro-os por todos os lados. Passantes calmos ou afoitos, vendo-se ou vendo-me. Os efêmeros são os vivos, os que podemos ver, e os fantasmas que vemos mesmo que não existam, e os que existem e não podemos ver. Qual a cegueira que nos toca, que nos impede a mira? O que eu veria se destapasse os olhos? Veria os efêmeros, os que se escondem, atrás de suas próprias nucas, e à sua frente perdidos de si mesmos em busca de si mesmos por meio de outros, e os outros? Outros, os desistentes e os insistentes, os efêmeros com seus sapatos, saias, bolsos, máquinas de fotografar, sombras; lêem livros, fazem teatro, assistem, esperam, comem, andam, olham, chegam, vêem, vão, os efêmeros estão por todos os lados, simples, complexos, apressados, com seus trejeitos, sorrisos, fome, seus objetos de espera, de sedução, repetem a vida, repetem a morte em vida, repetem a vida em vida, a armadura que sustenta toda vertigem. Os efêmeros formam atalhos, desvios, andam, andam, seguem lemingues sempre prontos ao abismo lento ao qual demos o nome de esperança. Os efêmeros são feitos de sinais, filigranas, fascínio, atenção, esperas, pés no chão, amor, prazer, conversas, ordens, são antípodas, são a nossa imitação.
Os efêmeros nos perguntam e não respondem, os efêmeros só esperam que os ajudemos a atravessar a grande vertigem. Sempre a espera do grande contentamento invisível.
Desnudemos os olhos. Queremos nossos olhos nus para que os efêmeros passem em seu cortejo triunfal em paz. Os efêmeros somos nós.”

Marcia Tiburi

O blog: http://bloglog.globo.com/marciatiburi/

5 comentários:

disse...

Efêmeros e frágeis, mais do que gostaríamos... gostei do texto...

Quanto ao teu comentário, vejo que mtas mulheres já passaram por situação parecida... putz... que chato. Ou não, sei lá.

Junto com Caio Fernando de Abreu???? :-0 Ai, Zeus... que responsa... me manda o link do teu perfil pra eu ir lá ver?

Beijos, menina. Bom feriado.

Cacá BH disse...

oi camila... lindo texto... poético e reflexivo, com todos textos do blog....
beijos!!

imylena disse...

tb gostei muito do seu espaço, deu pra perceber pelo pouco que li que temos gostos parcialmente parecidos bjs e fica com Deus!!
Ps: vou te linkar assim que tiver tempo viu!!!

(...) Bê disse...

é...de fato uma boa reflexão, daquelas que nos faz parar um pouco e pensar sobre tudo e sobre nada ao mesmo tempo.

E sim, os efêmros, esses que buscamos tão distantes, estão na verdade mais próximos do que pensamos,afinal, os efêmeros somos nós mesmos!

^^

Belo blog :)

Mila disse...

Camila, que lindas sementes me deixou lá na horta. Obrigada. Abraço***