quinta-feira, 1 de maio de 2008

descuidou, já sabe

Tentando entender o quanto de acaso e de sorte existe nesta nossa vidinha banal de cada dia...

Corridinho

O amor quer abraçar e não pode.

A multidão em volta,
com seus olhos cediços,
põe caco de vidro no muro
para o amor desistir.

O amor usa o correio,
o correio trapaceia,
a carta não chega,
o amor fica sem saber se é ou não é.

O amor pega o cavalo,
desembarca do trem,
chega na porta cansado
de tanto caminhar a pé.

Fala a palavra açucena,
pede água, bebe café,
dorme na sua presença,
chupa bala de hortelã.

Tudo manha, truque, engenho:
é descuidar, o amor te pega,
te come, te molha todo.

Mas água o amor não é.

Adélia Prado

Um comentário:

Macabéa disse...

Primeiro o post da Lya Luft já diz muito sobre o amor... mas amizade é uma coisa... amor é outra. Não deixe-se confundir. Adoroa a Lya, leu "Exílio"? É muito bom, um romance psicológico. Então, quanto ao post que comento, não acredito em acasos e sim em casos, rs! Talvez a coincidência entre vocês seja uma maneira de vc dar mais atenção ao que aconteceu, pois quando há algo que nos liga ao outro ser, nem que seja um mero detalhe, já fica mais fácil o relacionamento. Isso vale para qualquer tipo de relação, amorosa, amizade ou até mesmo de negócios.

Tô no trabalho já! rs... sou Caxias!

Ah, veja só nós duas, algo em comum? Sim, os gostos musicais e literários, isso já é uma paço para uma amizade. Por isso repito não é por acaso o caso da rua! rs.

beijos e bom feriado prolongado.