quinta-feira, 17 de abril de 2008

a poesia sopra onde quer

Novíssimo Orfeu

Vou onde a poesia me chama.

O amor é minha biografia,
Texto de argila e fogo.

Aves contemporâneas
Largam do meu peito
Levando recado aos homens.

O mundo alegórico se esvai,
Fica esta substância de luta
De onde se descortina a eternidade.

A estrela azul familiar
Vira as costas, foi-se embora!
A poesia sopra onde quer.

Murilo Mendes

Um comentário:

matheus disse...

seguindo; segue de volta:
mateuspoeta.blogspot.com