segunda-feira, 21 de julho de 2008

tempo de ser como quem arde

Canção dos Males Passados e Bem Presente
(In Coisa Amar, Coisas do Mar, Perspectivas e Realidades, 1976)

Eis um tempo de mar. Tempo de azul.
De fogo lento cabras maravilha
tempo de me buscar de te buscar
tempo de navegar para essa ilha
que fica sempre um pouco mais ao Sul.

Eis um tempo de mar (tempo de amar).
Meu país que já foi. Meu país por fazer.
Eis um tempo de ser eterno em cada instante
um corpo para viver um corpo para morrer
meu porto que eras sempre mais adiante.

Eis um tempo de ser como quem arde
como quem se semeia e se despede
porque antes era cedo ou era tarde
mas este tempo é nosso e não se perde.
Eis um tempo de ser como quem arde
em fogo lento lenha verde.

Quem sabe a cor do acaso e suas leis?
Quem sabe ler o tempo e seus sinais?
Eis o tempo a tecer com seus anéis
um tempo para sempre e nunca mais.

Eis um tempo de ser fiel ao tempo.
As cabras estão no fogo e o sacrifício
é este arder assim dentro do tempo.
Meu altar minha festa meu cilício.

Não perguntem por mim: eu estou aqui.
Meu país por fazer. Meu país que já foi.
E não sou de ninguém. E sou de ti.
Eis um tempo de amor num tempo que me dói.
Não perguntem por mim: eu estou aqui.

Não perguntem se volto: eu já voltei.
Estou num corpo de trigo. Estou no vinho.
E nas coisas passadas que passei
como quem fica um pouco no caminho.
Não perguntem se volto: eu já voltei.

Pelos caminhos de me achar e me perder
já meu corpo sofreu os danos e os castigos
tantos foram os laços de me atar e me prender
tantos os riscos tantos os perigos.
Pelos caminhos de me achar e me perder.

Não perguntem por mim.
Dá-me o teu corpo
como se fosse para sempre e nunca mais.
Tu que ficavas mais adiante e és o meu porto
assim me disse o tempo e seus sinais.

Manoel Alegre

Lindo e muito adequado para o momento presente... A vidinha segue intensa, mas sobretudo boa, digna de filme almodovariano, e por tudo isso inexplicável. Um dia, quem sabe, a gente faz um post mais elucidativo. A quatro mãos. :-)

4 comentários:

Mademoiselle disse...

Agora, ao conhecer Manoel Alegre, penso que ele e talvez tu, têm uma brasa no peito e uma flecha na alma...

Anônimo disse...

q manoel q nada... eu quero saber eh da receita q tava aqui?
po! naum tempo nem de copiar...
tsc... tsc... tsc...
essa blogsfera tah uma bagunça mesmo!
frangamente!

Cacá BH disse...

ai que lindo....
um post a quatro mãos....
minha vida segue muito boa tb, novidade lah no blog... beijos

Ricarda Caiafa disse...

oi querida...
estou passando soh pra dizer que mudei de blog... espero que vc goste,...