terça-feira, 29 de julho de 2008

paris é uma festa

Pelo calorzinho gostooso em pleno inverno, pela cidade luz (sonho de consumo desta que vos escreve) e pela vontade imensa de viajar que estou sentindo neste exato momento, e em muitos outros também:

“Quando a primavera chegava, mesmo que se tratasse de uma falsa primavera, nossos problemas desapareciam, exceto o de saber onde se poderia ser mais feliz. A única coisa capaz de nos estragar um dia eram pessoas, mas se se pudesse evitar encontros, os dias não tinham limites. As pessoas eram sempre limitadoras da felicidade, exceto aquelas poucas que eram tão boas quanto a própria primavera.”

Paris é uma festa, Ernest Hemingway


Tentei achar o(a) dono(a) da foto para dar os créditos, mas não localizei. Sorry. Eu achei a fotinho interessante pq reúne tudo que precisamos - em Paris ou em qq lugar - um bom livro (no caso, vale um guia de viagem tb), doses cavalares de vinho e aquela companhia essencial... ;-)

7 comentários:

Pedrita disse...

a foto é realmente bacana. eu não li essa obra. beijos, pedrita

Pedrita disse...

querida, falei de poesia no meu blog. beijos, pedrita

Luciana Pessanha Pires disse...

Nossa! Paris... Que idéia esplêndida! A foto é pura sedução. Neste momento... eu até ficaria feliz com um passeio na Pousada das Araras, Petrópolis. rs E se rolasse a tal companhia... uau! rs
Beijo, querida! Estamos bem. A vida segue e é muito boa. Vivamos!
Te amo muito.

Ricarda Caiafa disse...

sonho em passar minha lua de mel em paris.....
ahhhhhhhhh parissssssss
beijos

Macabea disse...

esse post fez com que eu me lembra-se dos bons momentos no Le Tartine... da sua casa... do dvd do Chico em Paris, e claro a queridinha " Amèlie Poulain ". saudades.

macabea disse...

Então... aqui tb está meio parado... vim ver se o post que vc disse estar fazendo sexta-feira tinha saído, mas pelo visto não... cadê vc querida? Foi bem o fds? Curtiu o papai? beijos saudosos.

disse...

Tbm adorei a fotografia. É pena que a internet seja mestra em dar fim em autorias. :(

Já li esse livro e só dá mais vontade de levar uma vida boêmia na cidade-luz. Ai, ai...