quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

razão e sensibilidade

Semaninha mega tensa e que culminou no afastamento temporário desta que vos escreve.

Afe. Ninguém merece encontrar pessoas que entram na sua vida e se revelam loucas, psicóticas mesmo. Babado forte, espero que acabe logo e a santa paz volte a reinar. Dentro e fora de moi.

E enquanto isso, na terra do Nunca... rs

Post abaixo foi escrito há algum tempo e como eu estou sem tempo nem cabeça e já me disseram que abandono de blog é crime inafiançável, aí vai:

Sensibilidade: eis um atributo que admiro muito. Principalmente no sexo oposto. Não falo de homem molenga, fraco ou afetado. Não. É o cara que sabe ver uma obra de arte e entender seu valor, capta rápido uma tirada mais sarcástica e subliminar, prefere o humor inglês ao americano. Aprecia uma boa música, gosta de ler (prosa e poesia). Vê além do que está visível aos olhos. E não tem medo de verbalizar isso e parecer cafona. Não vê problema de chorar quando está triste - ou feliz demais. Eles não são chatos, são apenas sensíveis. Mas também sabem pegar, beijar e fazer todo o serviço direitinho. Claro, como tudo que é bom, são poucos os exemplares existentes.

Será que é pedir muito? Espécie em extinção? Entrega em casa?

Um comentário:

Paloma disse...

Vi o link para o seu blog na comunidade do Síndrome de Estocolmo - e passei para dar uma olhadinha! Vou te contar, gente psicótica anda chovendo por aí!! Que sseu fim de semana seja mais tranquilo, sem a urucubaca!
Passe no meu blog:
http://ocolardecontas.blogspot.com/
Beijo!