sexta-feira, 26 de junho de 2009

para você, Mike

Ainda me lembro do seu primeiro dia conosco. A noite foi chegando, e nada de você querer dormir. Só sabia brincar, latir e correr por todos os cantos da casa. Fui eleita por unanimidade a pessoa que cuidaria de você durante a noite. Adorei a idéia. Brincamos muito, e quando o cansaço chegou você dormiu como um pequeno anjo ao meu lado. No auge dos meus 13 anos, alguns dos dias mais felizes e engraçados foram passados ao seu lado. Lembra o dia que você escapou da coleira e pulou nas pernas da enfermeira? Rasgou a meia da moça, que pôs-se a fazer o maior escândalo no meio da rua. Lembro do alvoroço causado e de ter que correr até em casa para buscar uma meia-calça da minha mãe, só assim para fazer a moça sossegar e não chamar a polícia. Você não tinha limites. Comia demais, ficava nervoso demais, queria brigar com todos os cachorros da rua. Não se limitava ao seu tamanho de beagle, achava-se o melhor de todos. Mas também tinha as orelhas mais lindas, a cabeça mais cheirosa e a barriga mais gostosa de todas. Era só começar com uma coçadinha nas costas - e você se abria todo. Deitava confortavelmente no chão esperando o carinho. Podia ficar assim por longos e intermináveis minutos. Esse era seu modo de receber o nosso amor. Ficar no colo, nem pensar. Era difícil ver você quieto num canto, estavas sempre a correr, brincar, ou comer. O cheiro de sopa, carne, pizza e maçã atiçava o seus instintos mais primitivos, e você aprendeu a sentar pra pedir comida. Ninguém resistia e você acabava sempre ganhando algo. Nunca foi selvagem, nunca mordeu ninguém, mas por comida você ficava mais valente do que nunca. Roubou uma peça inteira de queijo de cima da mesa, outra de carne, deve ter abocanhado outros pratos também que agora não me recordo. É com saudade e olhos marejados que lembro de você, Mike. Espero que estejas bem, e que a comida seja farta e o travesseiro macio aí em cima. Amo você, sentirei falta sempre.

Para quem não sabe, Mike tinha 17 anos e meio, estava muito doente e morreu de falência múltipla de órgãos na madrugada do dia 25 de junho. Que me perdoem os admiradores de Michael Jackson, mas minhas lágrimas são para o Mike Sérgio, o cão.

Alguns closes:

5 comentários:

Luciene disse...

Aieeeeeeee que fofoooooo.
o que realmente vale neste momento é relembrar os melhores momentos vividos por vc.
Saudade palavra que só existe tradução em Português pq nós somos um poço de saudades.

Bjs
Luli´s =)

Ju disse...

gostoso das bochechas caídas.

Luiz Fernando disse...

faço das suas palavras as minhas, saudades que nunca vão passar do negão..

Liloca disse...

Realmente vc traduziu o "lindão" direitinho...
Apesar do pouco contato, fiquei seduzida "de cara" por seu olhar carinhoso e jeitinho preguiçoso.
Compartilho com vocês a tristeza por sua partida, mas deixo a certeza que ele está curtindo e aprontando de montão lá em cima!

Liloka

Anônimo disse...

Um relato emocionante , uma saudade intensa. Perder um cão é perder um pouco da gente. Parece que o quintal fica grande. O silêncio torturante. Perder o cão da gente é sepultar junto a nossa história. Nunca me esquecerei meu último cão olhando-me nos olhos na sua partida. Faço minhas as suas dores... Bjs Cah